quarta-feira, 5 de março de 2008

Jardim para cegos

Mas o jardim, comprimido e mortificado entre os seus limites, exalava perfumes untuosos, carnais e levemente pútridos como os líquidos aromáticos destilados pelas relíquias de certas santas; os cravos cobriam com o seu aroma apimentado o aroma protocolar das rosas e o aroma oleoso das magnólias amodorradas pelos cantos; e lá bem no fundo notava-se ainda o cheiro a hortelã misturado ao arma infantil da acácia e ao cheiro a compota da murta, e do outro lado do muro o pomar de citrinos derramava sobre o jardim o cheiro a alcova das primeiras flores de laranjeira.

Era um jardim para cegos: a visão era constantemente ofendida mas o olfacto podia sentir um prazer intenso embora não delicado. As rosas Paul Neyron cujas plantas ele próprio comprava em Paris tinham degenerado: estimuladas primeiro e depois cansadas pelos sucos vigorosos e indolentes da terra siciliana, queimadas pelos Julhos apocalípticos, tinham-se transformado numa expécie de couves cor de carne, obscenas, que exalavam um aroma denso e quase repugnante que nenhum criador frances ousaria esperar.


O Leopardo
G. Tomasi di Lampedusa
A Ler por aí... na Sicília, em Itália




Nenhum comentário: