quarta-feira, 30 de julho de 2008

Abóbora

Começava aperguntar-se se aquele seria o trabalho certo para si. Era muito bom pensar que se podia ajudar as pessoas a resolver os seus problemas, mas esses problemas podiam ser de partir o coração. O caso Malatsi fora esquisito. Esperara que Mma Malatsi ficasse transtornada quando lhe mostrara a prova de que o marido fora comido por um crocodilo, mas ela não parecera nada perturbada. Que tinha ela dito? Mas tenho imenso que fazer. Que coisa tão extraordinária e insensível para alguém dizer quando se acaba de perder o marido. Será que ela não lhe dava mais valor do que isso?
Mma Ramotsw deteve-se, a colher semi-mergulhada no guisado que fervia em lume brando. Quando as pessoas ficavam assim imperturbáveis, Mma Christie esperava que o leitor desconfiasse. O que teria Mma Christie pensado se tivesse visto a fria reacção de Mma Malatsi, a sua virtual indiferença? Teria pensado: Esta mulher matou o marido! É por isso que fica imperturbável perante a notícia da sua morte. Ela sabia desde o início que ele estava morto!
Mas então e o crocodilo e o baptismo, e os outros pecadores? Não, ela tinha de estar inocente. Talvez lhe desejasse a morte, e então a sua prece fora atendida pelo crocodilo. Será que isso nos fazia criminosos aos olhos de Deus, se então acontecesse alguma coisa? Deus saberia, percebem, que desejáramos a morte de alguém porque não se pode ter segredos para Deus. todos sabiam isso.
Deteve-se. Era altura de tirar a abóbora da panelae de a comer. Em última análise, era isso que solucionava estes grandes problemas da vida. Podia pensar-se e tornar a pensar e não chegar a lado algum, mas tinha de se continuar a comer a abóbora. Isso fazia-nos voltar à terra. Isso dáva-nos uma razão para prosseguir. Abóbora.

A Agência Nº1 de Mulheres Detectives
Alexander McCall Smith
A Ler por aí... no Botswana

Nenhum comentário: