sexta-feira, 15 de agosto de 2008

O fim de um cachalote

«...Os caçadores de baleias, para cumprirem as habituais ordens das autoridades marítimas, apressam-se a levar para o mar a carcaça do cachalote, cuja decomposição infectaria rapidamente toda a zona circundante. Não é uma empresa fácil, porque embora pareça que basta arrastar a carcaça para duzentos ou trezentos metros da costa e confiá-la a uma corrente favorável que a leve, o vento que muda caprichosamente pode voltar logo a trazê-la; e pode mesmo acontecer que os caçadores de baleias tentem durante dias libertar-se da massa fedorenta sem o conseguirem. Se, para cúmulo, o mar se enfurece, pode acontecer que o indesejado despojo fique encravado pelas ondas debaixo de falésias inacessíveis onde, devido ao seu contundente fedor, constituirá durante meses um suplício para os habitantes da região. Finalmente, num belo dia de sol, o intestino grosso inchado de gás rebenta com grande estrondo e cobre a zona circundante de resíduos que constituem uma gulosa comida para os multicolores caranguejos-coveiros. Por vezes estes sinistros animais marcam encontro, para o seu repugnante five o'clock, com elegantes gambas que levam as suas delicadas antenas a passear sobre o enorme bolo, se a maré alta tem a gentiliza de lhes servir de meio de transporte. Seja como for, o pobre cachalote percorre progressivamente o caminho da derrocada, desde a primeira ferida que lhe é vibrada pelo homem até à intervenção das ínfimas criaturas que o preparam para a conclusão do ciclo fatal em que se resolve o destino dos seres vivos. A morte dos cachalotes é majestosa como um enorme desmoronamento e, nas necrópoles que os caçadores de baleias lhes preparam nas pequenas enseadas, os seus despojos acumulam-se como as ruínas de uma catedral.»

Mulher de Porto Pim
Antonio Tabucchi
A Ler por aí... nos Açores

Nenhum comentário: