quinta-feira, 30 de julho de 2009

Quatro horas

A partir das quatro, a Avenida Névski fica vazia, é pouco provável que encontremos um único funcionário. Uma ou outra costureira da loja atravessará correndo a Avenida Névski com uma caixa nas mãos; algumainsignificante presa do oficial de diligências, reduzida à miséria, com o seu capote de frisa; algum esquisitão de visita à capital, para quem todas as horas são iguais; alguma inglesa alta e esgrouviada, com um indispensável e um livro nas mãos; algum capataz, homem russo de sobrecasaca em demicoton cinturada pelos sovacos, a barba estreitinha, a vida eternamente alinhavada, o corpo todo sempre a mexer - costas, braços, pernas, cabeça - quando vai respeitosamente pela rua; de vez em quando, um humilde artesão; e não encontraremos mais ninguém na Avenida Névski.

Ler por aí... em Agosto 2009

Nenhum comentário: